Declaração da SIP sobre a Morte de George Floyd e Outros Povos de Descendência Africana nos Estados Unidos

A Sociedade Interamericana de Psicologia (SIP) está consternada e preocupada com a morte de George Floyd, um homem afro-americano imobilizado que morreu abaixo do joelho de um policial na cidade de Minneapolis. A SIP apela às autoridades para abolir o uso excessivo da força e a brutalidade policial e pede que este trágico incidente seja investigado, que se faça justiça e que se promova o respeito à dignidade humana e aos direitos das pessoas de ascendência africana nos Estados Unidos da América. O que aconteceu em Minneapolis é um incidente inaceitável que custa vidas humanas,  e afeta particularmente as pessoas de origem afro-americana.

Em vista do que aconteceu em Minneapolis, e em muitas outras cidades onde a violência contra minorias raciais e étnicas tinha sido claramente observada, a SIP não podia ficar calada. Estamos vivendo sob as restrições e o estresse produzido pela pandemia criada pela COVID-19; uma epidemia, que deu origem a muitas das melhores ações humanitárias vistas em nossa história recente, agora obscurecida por atos insensatos como o visto no caso de George Floyd.

A SIP acredita que a vida dos seres humanos deve ser honrada e protegida. Fatos como este criam condições psicológicas, sociais e morais catastróficas. A ocorrência repetida desses eventos perpetua o trauma que afeta a comunidade afro-descendente e prejudica as possibilidades de se alcançar uma sociedade mais justa e equitativa para todos os cidadãos. Além disso, este tipo de situação dá continuidade aos danos psicológicos criados pela discriminação racial e pelo preconceito, o que se traduz em aumento do trauma, depressão e angústia, e tem efeitos sobre condições corporais como tensão, pressão arterial e acidentes vasculares, como atestado por extensas pesquisas.

Partilhamos a opinião da Presidente da Associação Psicológica Americana (APA), Dra. Sandra L. Shullman, que reconhece a existência de uma pandemia de racismo, como demonstram as inúmeras mortes de pessoas de ascendência africana nos Estados Unidos. Acreditamos que este racismo deve ser encarado como uma crise de saúde pública que exige a implementação de ações destinadas a erradicar comportamentos agressivos contra cidadãos minoritários.

A SIP rejeita enfaticamente situações como as que ocorreram, defende a resolução rápida e humanitária desta situação e oferece toda a sua colaboração e recursos para reduzir o racismo, a estigmatização, o ódio e a agressão contra os afro-americanos nos Estados Unidos.

Conselho Diretor da Sociedade Interamericana de Psicologia (SIP), 29 de maio de 2020.